Batushka @ Santiago, Chile

Poloneses do Batushka, em Santiago, Chile

Sinistro @ Santiago, Chile

Acompanhando os amigos do Sinistro no primeiro show deles na América Latina

Engenho Central em Piracicaba

No final de semana estive em Piracicaba (SP), minha cidade natal, e quis voltar ao Engenho Central para fazer fotos dos galpões com mais de 100 anos.
O engenho está desativado desde 1974 e alguns galpões foram restaurados e viraram teatro, museu ou salão para festas. Mas o maior deles - e o mais bonito - é cheio de detalhes da construção e também de efeitos do tempo.

Vale a pena a visita, principalmente se você precisa de um cenário bonito para fotos.

ER_L6989.jpg

Krisiun na Hocus Pocus, São José dos Campos

Haja ISO para conseguir fotografar o Krisiun na Hocus Pocus! A saída foi [tentar] fazer umas fotos conceituais e usar o escuro como recurso, o famoso "vai que cola". Colou.

1X1A6187.jpg

Gorgoroth no Hangar 110

Obrigado Gorgoroth pelas poses e por fazer tudo tão fácil mesmo à luz tão baixa.

1X1A3997.jpg

Foto de comida e a importância da produção culinária

Muitos chegam aqui pelo meu trabalho com música e poucos sabem que uma das coisas que mais fiz/faço na vida é fotografar comida.

Comecei com a Tatu Damberg há muito tempo, quando ela tinha o blog Mixirica, um dos primeiros sites a unir receitas incríveis com fotos lindas.

O blog rendeu muitos frutos, muitos jantares de graça, muitos brindes, mas - principalmente - criou um fotógrafo (Eu) e uma produtora culinária (a Tatu) para o mundo profissional.

Muitas das fotos que fazíamos na época eram na base da tentativa e erro em questão de luz e ingredientes ideais para ficarem visualmente bonitos na foto. Mas tudo sempre comestível - já que eram quase sempre nosso jantar : )

Com o tempo - e com demandas novas de clientes, o trabalho da produção culinária foi se tornando cada dia mais claro e importante para mim como fotógrafo.

Primeiro porque não basta ser bonito e dar fome. Você tem que entender o cliente e saber com quem ele está falando e que estilo quer comunicar.
E quando se trata de comida você está tratando com algo muito emocional, instintivo e às vezes (para mim SEMPRE) com o momento mais importante do dia das pessoas.

Aí que entra o trabalho de alguém como a Tatu, que entende o cliente e diz para ele como a foto tem que ser e que estilo/emoção tem que passar.

Semana passada fizemos algumas fotos para ilustrar isso, e o resultado ficou incrível. Os mesmos pratos em versões muito distintas.

Parece simples, mas repare nos detalhes. Os talheres, o cenário, o paninho amassado, a gota fora do lugar, os tipos de ingredientes, a luz e os ângulos de todas as fotos. Tudo tem um significado e um alvo. E esse é o trabalho de uma produtora culinária como a Tatu, que não é apenas uma pessoa que executa receitas.

Ela escolheu 'pratos' muito simples: queijo quente e café. E abaixo você vê os resultados.
Queijo quente e café em versões moderna, clássica, popular e conceitual:

Queijo quente

 

Café

Hot Water Music e as 3 músicas de limite para fotos

 O pit, cheio

O pit, cheio

Fiquei muito tempo sem fotografar shows e tinha me esquecido do limite de 3 músicas.

Para quem não é da área e não sabe, é bem comum - no mundo inteiro - permitir que os fotógrafos fiquem no pit (área entre a grade que segura o público e o palco) por apenas 3 músicas para registrar o show.

Fotografando o Sepultura (e adjacentes), posso dizer que sou bastante privilegiado (ou mimado) nesse ponto, por ter acesso total ao palco e arredores durante o show inteiro. Isso quer dizer que tenho aproximadamente 1h30min e uma infinidade de lugares para escolher de onde clicar.

O que permite diferenciar o trabalho e tirar fotos assim:

Mas o normal é estar na posição de qualquer fotógrafo e ter ~15min limitado à frente do palco para resolver o trabalho.

Hoje fui fotografar o Hot Water Music com essa condição: 3 músicas do pit e mais nada. Para completar o desafio eu mal conhecia a banda, então antes de chegar fiz uma breve lição de casa: descobrir a formação da banda, ver fotos de outros shows e saber quem é o cara principal a ser fotografado, no caso, Chuck Ragan.

Diferenciar suas fotos fica muito mais díficil quando você está com as mesmas condições que 10 ou mais outros fotógrafos, e essa é a parte mais divertida desse trabalho : )

Aqui minhas tentativas de hoje: